domingo, 3 de junho de 2018

O que precisamos saber sobre Dor Lombar ?

A dor lombar é um sintoma muito comum. Ocorre em países de alta renda, renda média e baixa renda e em todas as faixas etárias de crianças para a população idosa. Globalmente, os anos vividos com incapacidades causadas por lombalgia aumentaram em 54% entre 1990 e 2015, principalmente devido ao aumento populacional e ao envelhecimento, com o maior aumento observado em países de baixa e média renda. A dor lombar é agora a principal causa de incapacidade em todo o mundo. Para quase todas as pessoas com lombalgia, não é possível identificar uma causa nociceptiva específica. Apenas uma pequena proporção de pessoas tem uma causa patológica bem compreendida - por exemplo, uma fratura vertebral, malignidade ou infecção. Pessoas com empregos fisicamente exigentes, comorbidades físicas e mentais, fumantes e obesos correm maior risco de relatar lombalgia. A incapacidade de lombalgia é super-representada entre pessoas com baixo nível socioeconômico. A maioria das pessoas com novos episódios de dor lombar recupera rapidamente; entretanto, a recorrência é comum e, em uma pequena proporção de pessoas, a dor lombar se torna persistente e incapacitante. Intensidade inicial elevada da dor, sofrimento psicológico e dor associada em vários locais do corpo aumenta o risco de dor lombar persistente incapacitante. Evidências crescentes mostram que mecanismos centrais moduladores da dor e cognições da dor têm papéis importantes no desenvolvimento de lombalgia incapacitante e persistente. O custo, o uso dos serviços de saúde e a incapacidade decorrente da dor lombar variam substancialmente entre os países e são influenciados pela cultura local e pelos sistemas sociais, bem como pelas crenças sobre causa e efeito. A incapacidade e os custos atribuídos à dor lombar deverão aumentar nas próximas décadas, em particular nos países de baixa e média renda, onde a saúde e outros sistemas são freqüentemente frágeis e não estão equipados para lidar com essa carga crescente. Esforços intensivos de pesquisa e iniciativas globais são claramente necessários para lidar com o impacto da dor lombar como um problema de saúde pública.

Dr. Luiz Fernando Sola - Especialista em Dor Crônica da Coluna Vertebral