quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Neurociência Moderna – Como tratar pessoas com Dor Crônica de Coluna

Dores nas costas, torcicolos, inflamação nos nervos e músculos, dor ciática.  Pesquisas apontam que 90% da população  algum dia experimentara ter uma dor na coluna vertebral. Então ter dor na coluna é normal diz o Fisioterapeuta especialista em Dor Crônica Luiz Fernando Sola. 
A cada ano são  desenvolvidas uma infinidade de tratamentos que prometem solucionar ou, ao menos, amenizar o sofrimento dos pacientes com dor na coluna. Às vezes, opta-se pelo controle da dor por meio de medicamento, técnicas e métodos manuais, fisioterapia ou cirurgia - minimamente invasiva ou não. Sabemos que cirurgia que cirurgia é em último caso. Porém, muitos pacientes que são submetidos a todos estes tratamento entre outros, não melhoram e segundo as pesquisas 10% destes evoluem para dor crônica “dor persistente”.
Porque muitos pacientes não melhoram?
Existem muitos mitos, falta de entendimento e medos desnecessários sobre dor.  Muitas pessoas  inclusive profissionais da saúde não tem os conhecimentos modernos sobre a dor. Isso é desapontador porque o entendimento sobre dor ajuda você gerenciar a dor de forma mais eficiente.  Ensinar a fisiologia da dor pode ser facilmente entendido por qualquer homem ou mulher, e o entendimento sobre ela  pode muda a maneira da pessoa pensar sobre a dor, reduzindo o valor de ameaça e melhorando o seu gerenciamento. Ameaça significa uma Hipersensibilização Central. Esta sensibilização  é nada mais nada menos do que uma resposta amplificada do sistema nervoso central  “cérebro” ao diversos estímulos que somos capazes de identificar e interpretar. Como um barulho de alerta ou alarme, a sensibilização central aguça nossos sentidos, faz com que tudo seja percebido com mais facilidade. Isso é aumentar a nossa atenção a tudo e todos. A sensibilização central aumenta nosso alerta e vários sistemas acordam para a vida, como o imunológico, motor, parassimpático e os que produzem dor.  Com isso, nossos sentidos ficam mais aguçados: dói mais, a luz incomoda, o barulho incomoda, o movimento é difícil, o sono e cansaço estão lá e ficamos mais chatos. Esta nova abordagem de se tratar orientando o paciente porque ele tem dor crônica,  fará com que o cérebro entenda o que está acontecendo para diminuir esta sensibilização, levando mais conforto e segurança.
Fantásticos estudos já mostram que é o cérebro quem julga a quantidade de dor que sentimos. Isto é neurociência
Estudos já mostram que muitos pacientes que apresentam hérnias de disco não apresentam nenhum sintoma de dor, enquanto outros quando tem um episódio de dor, e é  diagnosticado como hérnia de disco, como os exames mostram com todos aqueles nomes,  sendo estes somente o efeito causador da dor,  pode ser amedrontador. Mas neurociência explica se aplicarmos a Educação da Dor,  pode ao  mesmo tempo ser confortante, pois saber que muitas desses sinais fazem parte do processo de mudança por estarmos vivos e que estas mudanças são normais, você pode  levar uma vida completamente ativa.
Sabe, para o cérebro não existe tanta diferença entre uma dor por um problema físico e emocional. Problemas como lesão ou uma doença apresenta também emoção envolvida que pode tornar a experiência da dor mais desconfortável.
Luiz Fernando Sola – Fisioterapeuta especialista em Coluna Vertebral e Dor Crônica.
www.institutokrion.com.br
Contato para Cursos e Palestras
Email: sola@institutokrion.com.br

domingo, 20 de agosto de 2017

A Neurociência da Gratidão - Benefícios para sua Mente e Corpo

“A gratidão desbloqueia a plenitude da vida. Ela transforma o que temos em suficiente e mais. Ela transforma negação em aceitação, caos em ordem, confusão em clareza. Ela pode transformar uma refeição em um banquete, uma casa em um lar, um estranho em um amigo.” Melody Beattie
A gratidão cura, energiza e transforma vidas
A gratidão é definida como "a qualidade de ser grato; Prontidão para demonstrar apreciação e devolução da bondade.
O  indivíduo grato é capaz de lidar com mais eficácia com o estresse diário, sendo mais resiliente aos traumas, e se recupera mais rápido de doenças físicas.
Em uma comparação experimental, aqueles que mantiveram periódicos de gratidão semanalmente exercitados com mais regularidade, relataram menos sintomas físicos, sentiram-se melhor sobre suas vidas como um todo e eram mais otimistas sobre a próxima semana em comparação com aqueles que registraram aborrecimentos ou eventos de vida neutros (Emmons & McCullough, 2003).
As imagens de ressonância magnética que mapeiam os correlatos neurobiológicos sobre experimentos de gratidão e revelam que quando nos sentimos agradecidos, o cérebro ativa as áreas cerebrais responsáveis ​​pela sensação de recompensa, que é vinculada ao estado de alegria e motivação. Quando tomamos o tempo para perguntar o que agradecemos, certos circuitos neurais são ativados. A produção de dopamina e serotonina aumenta, e esses neurotransmissores, em seguida, viaja caminhos neurais para o centro de "bem-aventurança" do cérebro - semelhante aos mecanismos de muitos antidepressivos.
Praticar gratidão, portanto, pode ser uma maneira de criar naturalmente os mesmos efeitos de medicamentos e criar sentimentos de satisfação. Ou seja, a gratidão é um mecanismo biológico que premia a bondade e a generosidade, o que nos beneficia a nível pessoal e tem um impacto positivo nas relações sociais, beneficiando tanto quem dá, como quem recebe.
Alguns dos benefícios da Gratidão:
Sentimentos de satisfação com a vida em geral
Sentimento de viver a vida ao máximo
Mais auto aceitação e crescimento pessoal
Um sentimento de permanecer fiel a si mesmo
Aumento das relações de qualidade em suas vidas
Menor impulsividade
Um forte sentimento de altruísmo, empatia, calor e um maior desejo de tratar os amigos, familiares e estranhos com mais bondade .
Redução dos sintomas de depressão, ansiedade e mais otimismo.
Mais confiança nos outros.
Motivação intrínseca extra para produzir mais.
Mais satisfação nos relacionamentos (inclusive nas relações amorosos)
Melhor capacidade de lidar com as críticas e menos sensibilidade a negatividade dos outros
Noites com sono mais restaurador

Menor risco de transtornos alimentares
"Sua mente é um jardim, seus pensamentos são as sementes. Você pode cultivar flores ou pode criar ervas daninhas ".
Então, quais tipos de sementes você está plantando? Tente incorporar gratidão em sua vida e veja como isso se desenrola.
Luiz Fernando Sola – Fisioterapeuta Especialista em Dor Crônica.