segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Hérnia de Disco e Dor Ciática -Tratamento por descompressão pode ser a solução

A expressão dor no nervo ciático “ciatalgia” é normalmente usada para descrever uma dor que se propaga geralmente em uma perna quando este está sendo comprimido ou pinçado. Em adição à dor, pode haver formigamento, falta de sensibilidade e evoluir para dificuldade de movimentação e controle da perna. Pode ser sutil, aguda, como uma queimação ou acompanhada por choques intermitentes. Este incômodo doloroso pode iniciar na região lombar, passar pela nádega e ir para região lateral da perna e pé. Embora relatada geralmente como uma doença, na verdade a dor ciática é um sintoma, na maioria dos casos, ocasionado por uma hérnia de disco ou protrusão discal. A hérnia de disco  acontece , quando o disco que está localizada entre as vértebras da coluna,  migra de seu local, centro, para a periferia, em direção ao canal medular ou para os espaços por onde saem as raízes nervosas, levando a compressão das raízes nervosas que chamamos de nervo.  Acontece tanto na região lombar como na cervical também. Isso pode gerar dor no local, com irradiação no trajeto da estrutura nervosa que percorre em direção aos membros inferiores ou superiores. A dor pode ser intensa e é sentida em atividades bem simples, como ficar de pé, andar, exercer as atividades de trabalho e de vida diária e até mesmo pequenos esforços, como espirrar. Várias são as opções de tratamento para a hérnia de disco e a dor  ciática. Alguns optam pelo controle da dor por meio de medicamentos,  fisioterapia ou cirurgias - minimamente invasivas ou não, outros optam pelo tratamento por descompressão do  nervo sem cirurgia. Porém, muitos concordam que em boa parte destes casos são tratáveis e a cirurgia é em último caso. Pesquisas realizadas nos EUA mostram que técnicas de tração, descompressão dinâmica e estabilização, vêm sendo usadas com sucesso durante anos no tratamento das discopatias da coluna vertebral como as hérnias de disco. 
O tratamento por descompressão sem cirurgia é indicada principalmente quando a dor não responde a outros tratamentos, relata o fisioterapeuta Luiz Fernando Sola do ITC Vertebral. Nesses casos, temos o cuidado de indicar um tratamento chamado RMA (Reconstrução Músculo Articular da Coluna Vertebral), que é a aplicação de um protocolo de técnicas e métodos de descompressão e tração, que não são agressivos como todos pensam. O diferencial deste programa está no uso de tecnologia. Utilizamos  mesa de tração chamada TRITON DTS. Este equipamento apresenta a biotecnologia mais avançada do mundo na área da reabilitação de coluna, pois garante uma progressão segura, suave, confortável e precisa durante todo o processo de descompressão dos tecidos que envolve a coluna e que estão  pressionando o nervo. Este equipamento permite que o fisioterapeuta realize e ajuste as variáveis como velocidade, intensidade e tipo de descompressão (estática ou intermitente), que dependem de cada paciente e da patologia a ser tratada. Os pacientes recebem uma análise aprofundada para determinar se realmente ela se enquadra e, se estão aptas a receber esta terapia de descompressão. Temos tido 80 % de melhora dos casos atendidos. O tempo do tratamento depende de vários fatores que serão analisados após avaliação criteriosa. Certos pacientes podem ter uma resposta imediata ao tratamento, enquanto outros podem demorar algumas semanas para ou meses para melhorar.
Conheça nosso tratamento e saiba o local mais próximo de você: www.itcvertebral.com.br

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Dor ciática

A ciática é o termo mais comum para designar uma dor ao longo do trajeto do nervo ciático (ciatalgia).
Grande parte da população já sentiu esta dor pelo menos uma vez na vida. Frequentemente, deparam-se com situações desesperantes ao fazerem um tratamento anti-inflamatório que não resulta, pelo menos a longo prazo. Isto porque tentam combater a inflamação do nervo, quando muitas vezes a sua causa permanece.
 
Apesar de ser muitas vezes compreendida como uma patologia, a ciatalgia é apenas um conjunto de sinais e sintomas que podem ter várias causas. Os sintomas podem incluir dor do tipo choque elétrico, dormência ou perda de força/controlo do membro.
Dependendo do fator que provoca a irritação do nervo ciático, estes sintomas podem surgir em qualquer zona do seu trajeto ou mesmo em toda a sua extensão, isto é:

- Emergência a nível da coluna lombar e do sacro;
- Passa pela zona dos glúteos e piramidal;
- Continua pela zona posterior da coxa;
- Divide-se ao nível da perna num ramo posterior ou outro ântero-lateral;
- Chega por fim ao pé.

Qualquer alteração musculosquelética no trajeto do nervo ciático pode provocar uma ciatalgia. Normalmente, existe uma irritação por compressão devido a alterações estruturais que vão comprimir o nervo. Encontrando a origem da compressão e tratando a disfunção, deixa de existir irritação do nervo e os sintomas desaparecem.

Uma das causas comuns é a hérnia discal ao nível L4-L5 ou L5-S1. A hérnia consiste numa descontinuidade do disco vertebral que provoca uma saída do líquido pulposo, normalmente contido no interior do disco, para o exterior. Dependendo da direção da saída do líquido, este pode comprimir a medula espinhal ou a raiz do nervo ciático e provocar uma ciatalgia.

 

No caso de uma protusão discal, não existe descontinuidade do disco, mas sim um deslocamento do mesmo que pode provocar o mesmo tipo de compressão.

As disfunções vertebrais vão alterar o seu posicionamento e mobilidade e podem constituir também uma causa de ciatalgia. Sendo que as raízes nervosas passam por entre as vértebras, qualquer alteração pode provocar uma compressão. O mesmo acontece em disfunções do sacro, por onde também passam raízes nervosas.

O nervo ciático está intimamente relacionado com os músculos ao longo do seu trajeto. As posturas adotadas, os hábitos diários, o exercício físico desadequado ou falta de alongamento podem provocar alterações nestes tecidos. Não esquecer que estes são igualmente influenciados por disfunções estruturais. Um dos músculos que afeta frequentemente este nervo é o músculo piramidal (na zona dos glúteos). Basta existir uma contratura neste músculo para o nervo ciático ficar comprometido.
Estes são alguns dos exemplos mais frequentes, embora o mesmo se aplique às outras estruturas por onde este nervo passa.

É sempre necessário fazer uma boa avaliação, descartar outras condicionantes e encontrar a origem do problema, de forma a obter resultados eficazes.