quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Dor Ciática.

O nervo ciático é o maior nervo do corpo humano. Ele tem início na região lombar e percorre todo o membro inferior, com alguns ramos sensitivos chegando até o dedão do pé . A dor ciática inicia-se na região lombar e segue para o membro inferior (quadril, coxa, joelho, panturrilha e peito ou sola do pé. Pode sentir dor, formigamento, queimação, calor ou frio e perda de força na perna.
Possiveis causas de dor ciática:
Hérnia de disco
Osteófito (bico de papagaio)
                           Stress –causa tensão nas costas comprimindo a raiz do nervo ciático
                                Listese (escorregamento da vértebra)
                      Contração excessiva do músculo piriforme (no glúteo), onde também pressiona o nervo.

Acesse, conheça e curta nossa Fan Page

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Você está com Preguicite?

Você já parou para pensar quantos horas, dias, semanas, meses você não levanta os braços acima da cabeça ? Portanto se não faz este movimento, você está diante de um quadro que chamamos “preguicite “. Isto acontece por que estamos cada vez mais limitados diante da correria do dia à dia. Já acordamos devendo hora, e isto vem acometendo muita gente neste século XXI. Perceba quando o gato acorda, primeira ato que realiza é espreguiçar o corpo. Isto porquê ele está preparando seus músculos e articulações para sua atividades que irá realizar como subir em árvore, caçar, etc.. Mas pergunto eu ? Ele está preocupado com inflação, dinheiro, trabalho etc.. Como sabemos a revolução tecnológica está cada crescendo cada vez mais, e os com equipamentos cada vez menores, carros automáticos, controle remoto para tudo, comidas enlatadas, tudo para oferecer mais conforto, mas será que isto é benéfico ? Pense bem, estamos cada vez mais limitados realizando micro movimentos., e as alterações no nosso corpo já estão aparecendo em forma de dor, mal alinhamento postural etc.Espreguiçar é o movimento natural que alonga toda a musculatura corporal e proporciona um dia mais estimulante. Apenas um minuto. Este é o tempo necessário para espreguiçar, alongar os músculos e começar bem o dia, antes de encarar as tarefas e desafios da rotina. Espreguiçar, em toda a plenitude do verbo, é importante para lubrificar as articulações, alongar os músculos e liberar as tensões da noite. Além disso, aumenta a flexibilidade e diminui a incidência de várias dores - principalmente as musculares. Como se não bastasse, espreguiçar libera o estresse e melhora o humor. 
Então vamos começar com o que temos de mais fácil e acessível e que não realizamos. Espreguice !!
Luiz Fernando Sola
Fisioterapeuta
http://www.boapostura.com.br/artigos_dicas/preguicite.html










quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Coluna Vertebral - O que ela diz sobre sobre você.


Quase todos nós conhecemos as dores e os desconfortos da coluna vertebral. O que poucos de nós sabemos são quais os aspectos emocionais se expressam ou se escondem nestes sintomas. Afinal, quais são as prováveis relações emocionais que acometem a coluna vertebral? A coluna vertebral relaciona-se com a estrutura da personalidade. É por assim dizer o eixo central do ego, que é a parte da personalidade que faz contato com o mundo externo. Problemas de coluna indicam desequilíbrios ou dificuldades na formação da personalidade ou conflitos no relacionamento com as pessoas ou com o mundo que nos cerca. A coluna trás em suas partes, determinados aspectos prováveis de relação mente e corpo relacionados a cada região. A região cervical relaciona-se à flexibilidade e amplitude de perspectivas. As duas primeiras vértebras relacionam-se mais com as dificuldades que temos na formação dos nossos conceitos e as duas últimas, a ressentimentos, e da mesma forma as primeiras torácicas.

Na altura da sétima cervical, em muitas pessoas ocorrem materializações relacionadas a ressentimentos, situações emocionais do passado mal resolvidas evidenciando saliências nesta área corpórea. Pessoas inflexíveis e de padrão de comportamento rígido tendem a calcificações na região cervical. A retificação da lordose anatômica cervical relaciona-se ao excesso de exigência sobre si mesmo e perfeccionismo. A hiperlordose cervical relaciona-se ao medo, sobretudo sustos na infância, tristeza e dificuldade de acreditar na própria felicidade. Algumas exceções acontecem em pessoas que querem ocultar o medo e “levantam o nariz”, como popularmente é referido para descrever a postura de arrogância. A escoliose cervical muitas vezes relaciona-se a uma tristeza do passado que “murcha” a pessoa, “caindo” a cabeça para um dos lados. As patologias da região cervical estão mais relacionadas à inflexibilidade e à tentativa de controlar tudo, ou de racionalizar tudo; no entanto, às vezes elas são conseqüentes a conflitos que relacionam-se a outras áreas, sobretudo da coluna dorsal. A região dorsal ou torácica relaciona-se à postura diante da vida, especialmente diante do emocional. Problemas na região dorsal indicam dificuldade de posicionamento, sobretudo diante das emoções. As calcificações na dorsal estão relacionadas a tristezas profundas. Os casos de hipercifose ( acentuação da cifose) evidenciam um esconder-se do mundo, um encolher-se diante dos fatos que não sabemos como administrar. Já os casos de retificação (perda da curvatura anatômica) relacionam-se a um excesso de exigência sobre si mesmo.


A escoliose (curvatura lateral) da região dorsal em muitos casos relaciona-se ao “encurvar-se” diante de fatos que “não sei como”, ou “não posso mudar”, ou “sou forçado a aceitar”. É muito comum acontecer na adolescência, porque o jovem não sabe como se portar. Não é mais criança, nem adulto. Para algumas coisas, os pais e a sociedade o tratam como adulto; para outras, como criança, e isso gera uma confusão muito difícil de esclarecer. As pessoas “retas”, retificadas nesta região, sofrem muito com a necessidade de ostentar o que não são. Já os hipercifóticos em geral são tristes e assumiram que a vida é triste mesmo, e nada se pode fazer para mudar. As patologias da região dorsal, em geral, relacionam-se à tristeza, por a pessoa não viver as emoções de forma equilibrada, especialmente nos casos de hipercifose. Os casos de retificação relacionam-se mais ao perfeccionismo. Ocorrem em geral nas pessoas que foram muito cobradas e que acabaram se cobrando muito, especialmente a perfeição. A região lombar está relacionada ao “ter” na vida. Problemas na lombar relacionam-se em geral a perdas, ou medo de perdas, ou de não conquistar, tanto no aspecto material, quanto emocional. A hiperlordose lombar, muitas vezes relaciona-se aos aspectos acima referidos, e em alguns casos relaciona-se à repressão sexual. É uma tentativa de “esconder” o sexo, que acontece sobretudo nas mulheres. A famosa “bundinha arrebitada” em muitos casos esconde uma repressão sexual e uma necessidade de ser dominada, ou ainda uma supervalorização da estética diante das emoções. A retificação lombar também pode ocorrer pelos motivos citados acima, e pelo perfeccionismo. Já a escoliose lombar pode relacionar-se à rejeição intra-uterina, por patologia congênita óssea, o que às vezes também acontece na sétima cervical. Algumas pessoas que sofreram rejeição, especialmente de sexo, apresentam estas patologias congênitas nesta região. As patologias da região lombar geralmente relacionam-se a medos, ou à situação de muita cobrança, interna e externa, relacionadas a questões com conotações emocionais.

A região sacral está relacionada à sexualidade. Problemas na região sacral relacionam-se a conflitos relacionados a sexualidade, sobretudo traumas e repressão. Nos casos de meninas que são esperadas meninos, é muito comum encontrarmos uma materialização sobre o sacro e dores na região. Estas mulheres, em geral, apresentam dificuldade nos relacionamentos íntimos, dificuldade de engravidar, cólicas menstruais, suscetibilidades a problemas no aparelho reprodutor (útero, ovários, seios etc.) frigidez e tendência homossexual conflitiva. (Condição sexual homossexual que só acontece porque a pessoa não se permite ter o que quer, no caso uma relação heterossexual).
Homens com esse tipo de conflito materializam menos sobre o sacro, mas também manifestam problemas com a sexualidade, tanto com os relacionamentos, como no que diz respeito à suscetibilidade a problemas no aparelho reprodutor, inclusive em muitos casos sendo estéreis e tendo tendência homossexual conflitiva. É muito importante destacar que as dores do isquiático (ciático) também estão relacionadas aos problemas de coluna da região lombar e sacral. Correspondem aos medos de seguir em frente, inseguranças diversas e dificuldade de adaptação as situações de vida, especialmente aquelas que requerem mudança de comportamento ou que transformam nossa rotina.
Não são apenas os problemas de coluna, mas todas as articulações relacionam-se à nossa capacidade de nos “articular” na vida, ou seja, capacidade de relacionamento político. Problemas nas articulações relacionam-se à rigidez e à dificuldade de superar situações difíceis. Incluem-se nesse contexto todas as “ites” que afetam as articulações e que estão relacionadas a situações desagradáveis a que a pessoa se submete mesmo não gostando, por não saber como resolver.
Quando nos referimos a “articular-se” na vida, estamos enfocando nossa capacidade de relacionarmo-nos equilibradamente sem machucar o outro nem nos deixarmos machucar, respeitando os limites de cada um, inclusive os próprios. Viver é relacionar-se de forma equilibrada; do contrário, é muito difícil termos uma perspectiva feliz e saudável. Portanto, a forma como nos relacionamos é fundamental para o nosso equilíbrio. Essa maneira equilibrada de viver constrói-se a partir da espiritualidade e do amor, que sempre deve começar pelo amor por si mesmo. O equilíbrio sempre parte do respeito mútuo entre as pessoas, o que em nossas relações é fundamental. A capacidade de se “articular” é muito importante para o êxito ser alcançado, tanto no trabalho, quanto nas relações mais próximas, e consiste na flexibilidade e maleabilidade que precisamos ter para não desrespeitarmos os outros e nem a nós mesmos. Para ser infeliz e desamado, ninguém nasce. Se, nascemos dentro de uma perspectiva negativa, é porque temos a esperança de reversão. A vida é incompatível com a tristeza e a falta de amor. Portanto, “articular-se” é relacionar-se dentro da interdependência saudável que rege o universo com respeito pelo outro e por si mesmo, sem toda a rigidez que se relaciona à maioria dos problemas articulares. Desculpem a repetição, mas no que se refere ao inconsciente, que assimila bem o que for repetido, esta repetição é produtiva: precisamos melhorar nossas relações, para que possamos mudar o mundo.


Ivan PintoTerapeuta HolísticoDiretor do centro Holístico Idhera

Você se preocupa como seu filho anda ?

Uma má pisada se não for corrigida durante a infância e na fase de crescimento, pode comprometer todo o alinhamento postural e estrutural do corpo. Com o tempo estes desvios de origem podal além de afetar o pé, podem envolver estruturas ascendentescomo a coluna vertebral, joelho e quadril. Uma boa intervenção terapêutica preventiva e corretiva deve diminuir esta probabilidade de se pisar errado. Algumas precauções, combinadas com estímulos adequados, ajudarão a prevenir problemas futuros na coluna de sua criança. Composta por 24 ossinhos móveis empilhados uns sobre os outros, e movimentados por um conjunto de músculos, a coluna é a viga mestra na delicada edificação do corpo humano. É ela que nos sustenta em posição ereta e propicia a mobilidade do tronco. Também funciona como uma casca protetora para a medula espinhal – as estruturas nervosas que levam e trazem informações de todo o corpo para o cérebro. Com papel tão importante a desempenhar, é uma parte do corpo da qual não se deve descuidar um minuto. Toda má pisada deve ser corrigida precocemente para não afetar estas regiões, principalmente as que tem origem nos pés. Dentro da 
Posturologia e Podopostutologia que é uma especialidade onde o fisioterapeuta estuda os pés em relação a postura corporal, pode se chegar a causa de muitos problemas crônicos oriundos de uma má pisada. Intervir então, precocemente tratando as causas de origem podal, pode resolver vários problemas. Um bom check- up da estrutura corporal, uma avaliação postural e um teste da pisada chamada Baropodometria, determinam e direcionam qual a melhor conduta terapêutica. Muitos realizam este exame de forma preventiva para verificar se existe uma probabilidade de apresentar problemas no futuro. Geralmente os tratamentos mais indicados dependem desta avaliação. As Palmilhas Posturais que realizam uma reprogramação global ,quando a origem do problema vem dos pés, o são as mais indicadas. Mas em alguns há a necessidade de associar alguma técnica ou método postural.

Dr. Luiz Fernando Sola
Fisioterapeuta
Posturologia / Podoposturologia / RPG / Pilates /
Osteopatia / GDS / Terapia Crânio Sacral /
Mulligan / Terapia Manual


terça-feira, 11 de setembro de 2012

OSTEOPATIA A CURA PELAS MÃOS
A Osteopatia é uma terapia manual e um sistema de avaliação, com os seus próprios princípios subjacentes. Permite detectar e tratar áreas do nosso corpo que estão afetadas em em disfunção. Com as mãos o Osteopata restabelece a natural capacidade de cura do organismo e a volta do funcionalidade normal. Em última instância, restaura o equilíbrio global articular, visceral, muscular, craniano, neural ente outras.
Um dos seus princípios básicos centra-se no facto de que boa parte da dor e disfunção que sofremos, tem origem em alterações da estrutura e função do nosso organismo. Através de uma vasta gama de técnicas de manipulação manuais, a Osteopatia age sobre a estrutura do corpo, particularmente músculos, ligamentos, nervos, articulações e órgãos. Tal como uma máquina, o nosso corpo necessita de equilíbrio para ser eficiente, disponibilizando mais energia para saborear a vida. Osteopatia é uma medicina não convencional, que usa técnicas manuais para diagnosticar e tratar uma grande variedade de problemas de saúde, principalmente na coluna vertebral.
Os maiores problemas incidem normalmente na coluna vertebral, onde o osteopata tem um papel muito importante, uma vez que é o único especialista que consegue, através das mãos e sem cirurgia, recolocar as vértebras na sua posição anatômica.
 O osteopata utiliza as mãos para perceber os movimentos e tensões do corpo, através de várias técnicas manuais suaves e não invasivas.
Isso significa que pessoas de todas as idades podem consultar um osteopata, desde o recém-nascido ao idoso.

 Quando se deve consultar um osteopata?
Durante a gravidez e depois do parto, ainda que tenha decorrido sem problemas
Depois do nascimento e durante a infância, no decorrer de mudanças importantes na vida da criança ou quando manifesta através do comportamento dificuldades de adaptação não habituais nela.
Depois de um importante traumatismo, ainda que não tenha nenhuma ferida aparente (quedas, acidentes de carro, etc.)
Depois de uma intervenção cirúrgica ou médica traumatizante (tratamentos dentais, extracções dificeis, etc.)
Antes da colocação de um aparelho dental, durante todo o tratamento e depois da retirada do aparelho
Durante ou depois de um período particularmente stressante ou de esgotamento físico e/ou intelectual ou de um período emocional difícil.
Depois de qualquer doença aguda que tenha requerido a toma de medicamentos. De forma geral, as pessoas apresentam importantes desequilíbrios do organismo nos planos locomotor, hepático e digestivo. Por exemplo, os antibióticos algumas vezes indispensáveis alteram o sistema digestivo e o fígado.
Quando o individuo sente a necessidade ou o desejo de tratar-se. O corpo, se já recebeu cuidados osteopáticos, será mais sensível ao tratamento que lhe permitirá reencontrar o equilíbrio.

    Problemas que podem ser tratados com a Osteopatia ?
      Dores na Coluna
      Dores Lombares                                                          
      Hérnias Discais
      Artrose na Coluna Vertebral
      Cervicalgias
      Ciática
      Torcicolos
      Lesões Desportivas
      Dores de cabeça
      Stress
      Irritabilidade
      Dores nas articulações
      Dores Musculares
      Dormências
      Deficiências Circulatórias
      Tendinites
      Subluxação Vertebral
      Contraturas
      Tensão Muscular


terça-feira, 4 de setembro de 2012