segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

É possível conviver com a Hérnia de Disco sem cirurgia ?

Para entender o que acontece no caso da hérnia de disco, é preciso saber que a coluna é formada por articulações compostas pelas vértebras e por discos intervertebrais que se localizam entre elas. Estes discos são formados por um anel fibroso e um núcleo gelatinoso chamado de núcleo pulposo . O disco intervertebral, principalmente o seu núcleo, comporta-se como um amortecedor, absorvendo os impactos sofridos pela coluna, como os da corrida, por exemplo, cada vez que os pés tocam no solo. Ele é responsável pela sustentação do peso do próprio corpo e dos movimentos de inclinação e rotação da coluna, mantendo a estabilidade da região.


A hérnia de disco acontece quando, por aumento das forças exercidas no núcleo pulposo, esse se desloca e rompe o anel fibroso, indo em direção ao canal medular ou em direção aos espaços por onde passam as raízes nervosas, gerando compressão destas estruturas . Ou seja, o material gelatinoso do núcleo sai do centro do disco e ocupa os espaços das estruturas adjacentes, comprimindo-as. Quando o núcleo pulposo apenas se desloca sem romper o anel fibroso, empurrando-o contra as estruturas ao redor, chamamos de protrusão discal. Neste caso, o material gelatinoso não extravasa, apenas empurra o anel fibroso, causando uma compressão mais leve.
Existe tratamento para descompressão deste disco sem cirurgia ?
Em primeiro lugar para um tratamento dar certo devemos  entender que toda hérnia de disco deve ter uma causa. Muitas pessoas trabalham com peso, são sedentárias, praticam atividades físicas, estão com sobre peso e não tem hérnia. Então porquê certas pessoas apresentam esta patologia ? A resposta está na funcionalidade do corpo numa globalidade. Certos pacientes tem predisposição genética herdada dos pais, outras tem alterações na funcionalidade  e mobilidade da estrutura do quadril e  da coluna vertebral. Procuramos avaliar e descobrir porquê algumas colunas tem probabilidade de desenvolver hérnia de disco. Em cima dos resultados tratamos a causa e as dores provocadas por ela. É importante entender que todas as articulações da coluna vertebral devem ter movimento, pois dessa maneira os discos intervertebrais podem receber "alimento". A maior parte do suplemento sanguíneo (oxigênio e nutrientes) chegam ao disco intervertebral através do movimento quando o indivíduo tem mais de 25 anos. Quando o movimento é perdido ou diminuído em qualquer parte da coluna, o suplemento sanguíneo também diminui e com isso inicia-se um processo de degeneração. Com o passar do tempo, se o movimento não é restabelecido na articulação, os músculos ao redor dela começam a se encurtar, perdendo a flexibilidade. Com isso, o espaço entre uma vértebra e outra, destinado aos nervos, começa a diminuir, comprometendo o impulso nervoso. Além disso, o disco intervertebral diminui de espessura como resultado da diminuição do aporte de alimento e oxigênio e pelo fato de que o peso não é mais absorvido e distribuído igualmente pela falta de movimento na articulação. Isso faz com que o anel fibroso fique vulnerável a rupturas, permitindo a formação da hérnia de disco. Hoje existem uma gama de tratamentos, alguns optam pelo controle da dor por meio de medicamento principalmente na fase aguda, depois vem a fisioterapia ou cirurgia - minimamente invasiva ou não. Porém, muitos concordam que em boa parte destes casos são tratáveis e a cirurgia é em último caso. Hoje temos uma  linha de pensamento que toda hérnia de disco é causado por um desarranjo na funcionalidade da articulação da coluna. Ela  deve ser tratado por métodos e técnicas de mobilização, descompressão e estabilização da região afetada. Nos casos mais graves e crônicos da coluna como as Hérnias de Discos e as protrusões discais, onde a dor está presente a mais de 3 meses, usamos um método de tratamento chamado RMA (Reconstrução Músculo Articular da Coluna Vertebral) onde utilizamos  um protocolo de tratamento utilizando modernos equipamentos importados dos USA como a Tração Computadorizada  Eletrônica,  Mesa de Descompressão Dinâmica da Coluna Vertebral. 

O diferencial deste programa está no uso de tecnologia. Utilizamos  mesa de tração chamada TRITON DTS. Este equipamento apresenta a biotecnologia mais avançada do mundo na área da reabilitação de coluna, pois garante uma progressão segura, suave, confortável e precisa durante todo o processo de descompressão dos tecidos que envolve a coluna e que estão  pressionando o nervo. Este equipamento permite que o fisioterapeuta realize e ajuste as variáveis como velocidade, intensidade e tipo de descompressão (estática ou intermitente), que dependem de cada paciente e da patologia a ser tratada. Os pacientes recebem uma análise aprofundada para determinar se realmente ela se enquadra e, se estão aptas a receber esta terapia de descompressão. Este método de descompressão e tração não são agressivos como todos pensam. Além dos equipamentos, utilizamos técnicas e métodos manuais de manipulação e mobilização, que serão utilizados no momento certo. Exercícios específicos de estabilização segmentar da coluna serão aplicados de acordo com cada patologia para que não haja recidiva do problema.

Luiz Fernando Sola
Fisioterapeuta responsável pelo ITC Vertebral e pelo Núcleo de Estudo da Postura do Instituto Krion.
www.itcvertebral.com.br /  www.institutokrion.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário